As dores emocionais de uma separação em muitos casos costumam ser tão dolorosas quanto as dores da perda por morte de pessoas próximas. Mexe tão profundamente com a autoestima (O ego, na verdade) que pode fazer adoecer e entrar em depressão. Por que será que dói tanto? São vários aspectos. A parte que é deixada sente o peso da sensação da rejeição. Este sentimento é acompanhado de pensamentos que nos fazem questionar onde erramos, que tipo de “defeito” temos para que o outro tenha nos abandonado ou traído. Se a outra parte não nos quer mais, é porque tem que ter algo de errado conosco. O único remédio aparente pra isso é que o outro volte, para que assim a sensação de que temos algo de errado seja aliviada. E se a volta ocorre, nos tornamos refém, nosso bem estar fica em poder de outra pessoa, pois a qualquer momento esta pode novamente romper o relacionamento.

A parte rejeitada fica em uma situação delicada e faz de tudo para agradar o outro. O que é paradoxal, é que quanto mais se tenta agradar, mais a outra pessoa tende a nos desvalorizar, pois esse aparente desejo de agradar o outro é fruto da baixa autoestima, e isso é sentido pela outra pessoa que fica cada vez mais distante. Quem é que gosta de ficar com alguém que não se valoriza? Isso é uma das coisas que mais afasta o outro. Quem é rejeitado dificilmente percebe esse efeito contrário. E mesmo quando percebe, continua agindo da mesma forma na esperança de que o resultado mude. É preciso mudar radicalmente a estratégia. Vou explicar um pouco mais adiante.

Todo o desespero para voltar um relacionamento tem por trás a sensação de que só vamos nos sentir de fato inteiros, apreciáveis se o outro voltar. É pura insegurança, autoestima baixa. Alguns se humilham, imploram. Quando isso não dá certo (Aliás, é raro que esse método tenha um bom resultado) a pessoa cai na mágoa, raiva ou rancor.

Toda essa necessidade de ser reconhecido e aceito pelo outro vem do ego. O ego tira o seu falso senso de identificação de “eu” e de valor de fatores externos. No momento que o outro não nos quer mais, dói profundamente no ego. Na verdade, já somos completos, os relacionamentos deveriam ser uma opção a mais para dar um colorido diferente (Falei “colorido diferente” e não “o” colorido) a nossa vida. Mas não é assim que o ego sente.

O primeiro passo para começar a acabar com essa dor, é reconhecer que todo esse desespero vem do ego, que é uma parte que está dentro de você, mas que não é você em si, embora pareça que seja por estarmos em total identificação com ele. No entanto, com a percepção de que isso vem do ego, começa o processo de desidentificação com ele. Sinta, observe o ego e todos os pensamentos e emoções que surgem. Não estou dizendo que você conseguirá fazer isso sem sentir dor. Vai doer sim, mas ao mesmo que dói, você estará consciente dos pensamentos e sentimentos que surgem, sabendo que eles vêm do ego e que você é a consciência que está ciente dele, e não é ele em si. Isso fará com que ele perca pouco a pouco o domínio sobre você, pois você está deixando de agir no modo automático, de forma inconsciente, sem nem saber que é o ego que está agindo no seu lugar. Perceber a ação dele é o começo do fim do seu domínio e do sofrimento.

Conforme falei antes, as pessoas que estão sendo rejeitadas tentam de tudo para reverter a situação: Imploram, prometem coisas, dizem que amam demais, que não podem viver sem a pessoa, tentam argumentos racionais, alguns se humilham. E de acordo com o que podemos observar, isso raramente faz o outro voltar, e quando se consegue esse objetivo, vira-se um refém. Argumentos racionais não tem o poder de fazer o outro se sentir atraído por nós, e apenas geram mais contra-argumentos racionais do outro lado que justificam a separação.

A atração é gerada por fatores quase que totalmente inconscientes. Perceber a outra pessoa como se ela tivesse menos valor do que nós (Porque ela está insegura e se humilhando) faz qualquer um perder ainda mais a atração. Por isso é que a tática de argumentar, implorar nunca traz um resultado satisfatório.

O que se deve fazer então? O que vou falar pode parecer que vai piorar mais a situação, mas funciona muito bem. Assim que o parceiro/parceira começar a falar em separação, concorde totalmente com ele. Concorde inclusive com todos os argumentos que o outro lado oferecer, e você poderá afirmar coisas do tipo: “A gente não dá certo mesmo, tem tal e tal defeito em mim que você não suporta e eu não consigo mudar, você tem razão, é uma pena, mas é verdade, a solução é separar…”. Soe totalmente sincero e sem qualquer tom de briga, sarcasmo ou vitimismo. Muitas vezes, só o fato de agir assim, já pode reverter completamente a separação. Vou explicar o por quê:

O outro (O ego do outro na verdade) passa a ver você com uma pessoa segura, e isso é muito atrativo. O ego do outro, que antes se sentia superior e no controle da situação, agora fica inseguro e provavelmente vai precisar de você para sentir segurança novamente. Quando você cria aceitação da situação, você deixa de brigar e lutar, assim você para de alimentar os sentimentos de vítima do seu ego. Com isso você deixa de transmitir a imagem da insegurança.

Se ainda assim o parceiro insistir em separar, continue o processo, concorde com tudo, mude-se. Comece a sair e a conhecer outras pessoas. O outro lado com certeza começará a valorizar você, por que na verdade você está agindo como uma pessoa que se dá valor. O que você está transmitindo ao outro é a mensagem de que ele não é a única pessoa desse mundo como você antes pensava, e que você poderá ser feliz mesmo sem ele/ela. A solução é sempre criar total aceitação e não resistir.

É claro que é difícil agir dessa forma. Por isso eu uso a EFT (Técnica para Autolimpeza Emocional – Clique Aqui e solicite o Manual Gratuito para aprender a eliminar emoções e pensamentos negativos em minutos!) quando chegam casos como esses, para limpar todo o desespero, medo, insegurança e sentimentos de inferioridade da pessoa que está sendo rejeitada. Assim o cliente consegue “soltar”, desapegar do outro. E isso tem um incrível poder de atração. Limpando as emoções com EFT, toda essa ação de concordar com outro, que eu descrevi como uma estratégia que pode reverter a separação, soa completamente lógica e como a melhor coisa a se fazer. Usando a EFT de forma adequada, a dor da separação é amenizada drasticamente e a pessoa consegue retomar a vida de forma mais rápida. E caso haja uma volta do relacionamento, a pessoa estará muito mais fortalecida o que a torna bem interessante na visão do outro.

Um forte abraço!

André Lima.

PS.: Se você gostou desse artigo e acredita que esse conhecimento pode ajudar outras pessoas, então clica em Curtir em algum lugar dessa página. Vou ficar muito grato!