Com a realização da copa do mundo no Brasil, o termo “Complexo de vira lata” veio a tona com muita frequência. Mas o que seria exatamente esse complexo, por que ele acontece e o que isso revela de um povo de um determinado país? E como esse complexo se manifesta nas nossa vida pessoal e nos relacionamentos? O que isso tem a ver com a autoestima? E como podemos aprender com isso para melhorar a nossa vida? Vou responder essas perguntas.

O complexo de vira lata é um reflexo da sensação de que os outros são melhores. Vem de sentimentos de inferioridade e problemas de autoestima. Quem se sente inferior busca razões de forma inconsciente que confirmam a sua inferioridade e acabam reforçando esse sentimento.

Existem três mecanismos comuns que ajudam a reforçar o sentimento de inferioridade. O primeiro deles é a tendência de enxergar muitos defeitos em si mesmo, além de exagerar e distorcer esses defeitos. O segundo mecanismo é a grande dificuldade de reconhecer e apreciar as próprias qualidades. Elas são minimizadas ou ignoradas. O terceiro mecanismo é achar que os outros são melhores. E nesse caso se exagera na percepção dessas qualidades e os defeitos são ignorados ou minimizados. A partir dai a pessoa constrói uma imagem muito ruim de si mesma e se compara com a imagem que ela construiu das outras pessoas, e assim confirma que ela é realmente pior.

Esse fenômeno tanto pode acontecer de uma forma individual, familiar ou ainda de forma mais abrangente com uma população de um determinado lugar. Vemos isso acontecer bastante no Brasil. O brasileiro é muito isso… O brasileiro é muito aquilo… Ouvimos comentários pejorativos que vem do povo comentando sobre o próprio povo e o país, como se os defeitos e problemas que existem nas pessoas e no país fossem uma exclusividade, ou fossem sempre piores do que em outros lugares. Cria-se uma idealização de outros países que servem como referência para se comparar negativamente.

É a mesma coisa que acontece quando um indivíduo se sente pior do que os outros e manifesta isso falando mal de si mesmo e se comparando negativamente a outras pessoas. Seu diálogo mental interior é sempre muito crítico consigo mesmo e dificilmente reconhece suas qualidades. Os supostos defeitos são sempre motivos de críticas e auto cobrança que geram desanimo e minam a autoconfiança. Enquanto que as qualidades são ignoradas e não servem para gerar motivação e alegria.

E o mais interessante é observar como esse processo passa do indivíduo para o coletivo. Nós tendemos a ver as pessoas ao nosso redor como se fosse uma extensão nossa. Quanto mais próxima for essa pessoa, maior é essa tendência. Isso é o que nos faz ter vergonha das atitudes de uma pessoa próxima, ou nos faz ter orgulho de algo que um filho ou um irmão fez. É como se nós tivéssemos feito aquilo. Por isso, quem carrega sentimentos de inferioridade e uma baixa autoestima tende a ver não somente muitos defeitos em si mesmo, mas também tende a ver defeitos nas pessoas mais próximas, que são como a sua extensão.

É fácil observar isso nos relacionamento familiares. Existem pais que sempre vêem muitas qualidades nos filhos dos outros, mas não conseguem ver nos próprios filhos. Comparam sempre negativamente seus filhos e encontram muitos motivos para criticar. É fácil elogiar os outros, é difícil elogiar os mais próximos.

Esse sentimento de extensão acontece na família e se estende e se amplia pra uma cidade inteira, pra um país inteiro, gerando o fenômeno do complexo de vira lata de um povo. Vemos pessoas de uma cidade que se comparam negativamente com outras cidades vistas como melhores, assim como vemos pessoas de um pais que se comparam negativamente a povos de outros países. Existe aquela sensação de que a grama do vizinho é sempre mais verde.

Reconhecer os próprios defeitos e fraquezas é importante. Pessoas que tem uma boa autoestima conseguem fazer isso com tranquilidade. A diferença é que essas pessoas não utilizam esse reconhecimento como um motivo pra se colocar pra baixo, ou como uma fonte de auto cobrança que gera tensão e estresse. É algo que serve apenas como um aprendizado para se evoluir.

Por falar em autoestima criei um teste que você pode acessar no meu site pra avaliar a sua autoestima. O mais importante nesse teste não é a nota final que você vai obter e, sim, a reflexão que cada pergunta vai trazer: Acesse aqui o teste da Autoestima.

Vou citar aqui alguns sinais que fazem parte dos complexo de vira lata, que são reflexos de problemas de autoestima:

– Dificuldade de reconhecer qualidades em si mesmo e em pessoas mais próximas.
– Dificuldade de elogiar pessoas próximas
– Auto cobrança e auto crítica excessiva; facilidade para encontrar defeitos
– Hábito de se comparar negativamente a outras pessoas
– Dificuldade de perdoar os próprios erros e falhas
– Foco e exagero nos próprios defeitos
– Falta de valorização da própria cultura e do lugar onde mora
– Falta de valorização de si mesmo e das pessoas próximas
– Tendência de valorizar somente o que vem de fora

Para trabalhar a auotestima eu utilizo a EFT (Técnica para Autolimpeza Emocional – Clique Aqui e solicite o Manual Gratuito para aprender a eliminar emoções e pensamentos negativos em minutos!). Ela é muito eficaz por que é possível através dessa técnica dissolver os sentimentos negativos do passado que minaram a nossa autoestima: Sentimentos de culpa, rejeição, abandono, mágoas e etc… 

 

Um forte abraço!

André Lima.

 

PS.: Se você gostou desse artigo e acredita que esse conhecimento pode ajudar outras pessoas, então clica em Curtir em algum lugar dessa página. Vou ficar muito grato!